Os Maiores Processos da Bolsa de Valores de Todos os Tempos

Introdução

If you’re a stock market fanatic like me, you’ve probably heard of a few of these stock market lawsuits. Maybe they were the talk of your office over lunch; maybe they featured in the background of your favorite movie or TV show. Either way, each one is a fascinating glimpse into the complicated world of finance and how far some people will go to get ahead.

The stock market exchange is an intricate system that can be manipulated in a number of ways, including through lawsuits. Let’s look at 10 largest stock market legal cases and examine how these investments affected the stock market.

1. Worldcom/MCI

Worldcom/MCI was a telecommunications company that filed for bankruptcy in 2002, making it the largest bankruptcy in US history at the time. The company’s founder, Bernard Ebbers, was hit with a $2.25 billion class action lawsuit after he allegedly hid the true financial status of his company from investors. The lawsuit was settled out of court and Worldcom has since been absorbed by Verizon.

Processos de falência da Worldcom
Processos de falência da Worldcom

2. Tyco

A Tyco International Ltd. concordou em pagar $50 milhões para resolver uma acção judicial colectiva intentada por accionistas que acusaram a empresa de inflacionar artificialmente o preço das suas acções.

Tyco International Ltd Ação Judicial na Bolsa de Valores

A empresa, fundada por Dennis Kozlowski e posteriormente liderada por L. Dennis Kozlowski, concordou em Janeiro de 2007 em pagar $4,4 mil milhões por um fabricante de sistemas de segurança electrónicos, mas não revelou que tinha sido condenado por fraude de títulos em 2005 - um facto que poderia ter feito com que os investidores tivessem receio de investir no negócio. Tyco também não revelou quanto dinheiro tinha gasto a defender-se contra processos instaurados pelo antigo empregador de Kozlowski e outros, que alegavam ter sido defraudados durante o seu mandato na Sunbeam Corp., onde era CEO antes de passar para a Tyco International Ltd., de acordo com a Bloomberg Businessweek.

3. Enron

A Enron era uma empresa de energia com sede no Texas que foi fundada em 1985 e pediu a falência em 2001, o que a tornou no maior pedido de falência do capítulo 11 da história dos Estados Unidos. O colapso da Enron afectou não só os 20.000 empregados e accionistas da empresa, mas também os seus credores e outros credores que estavam envolvidos com a Enron.

Enron’s demise is largely attributed to its accounting practices that hid debt from shareholders while inflating profits by using questionable off-balance sheet partnerships that were controlled by former executives who had since left the company. When these partnerships failed to deliver as expected, Enron could no longer meet its obligations to investors or lenders and eventually went bankrupt.

4. Adelphia Communications

A Adelphia Communications foi uma empresa de cabo que pediu a falência em 2002. A família Rigas, proprietária da Adelphia, foi mais tarde acusada de escumar $2,3 mil milhões da empresa para cobrir despesas pessoais e pagar os empréstimos. John Rigas (o fundador) e o seu filho Timothy foram condenados a 15 e 20 anos, respectivamente, pelo seu envolvimento nesta fraude. A família recebeu $100 milhões em empréstimos da Adelphia, utilizando o dinheiro da empresa para comprar um jacto privado ($37 milhões) e um campo de golfe ($12 milhões).

Processo na bolsa de valores da Adelphia Communications

5. Grupo Internacional Americano

In 2005, the SEC accused American International Group (AIG) of accounting fraud. AIG had to pay $1.6 billion in damages and fines. CEO Maurice R. Greenberg was forced to resign, and the company’s value dropped by over $100 billion.

6. HealthSouth Corp.

HealthSouth Corp. was a major provider of health care services in the US. The company was listed on the New York Stock Exchange in 1986 and its share price rose to $35.75 in 1999, when it ranked among America’s largest corporations. But by 2003, it had become clear that HealthSouth had been defrauded by its CEO and CFO who siphoned off hundreds of millions of dollars from their own compensation and other corporate funds as well as transferring money out of companies they acquired into dummy accounts they controlled. The fraud was so widespread that by 2006, $2 billion worth of lawsuits were filed against HealthSouth — making this one of the biggest corporate frauds ever uncovered.

7. Peregrine Enterprises International Inc.

Peregrine Enterprises International Inc. é outro caso de alegada fraude na bolsa de valores que resultou num acordo e que a empresa teve de restabelecer as suas finanças. O processo foi instaurado contra a Peregrine pela SEC em 2008, que alegou que a empresa tinha desviado fundos e falsificado livros e registos.

Além disso, a Peregrine fez uma série de declarações públicas enganosas sobre as suas perspectivas comerciais que levaram os investidores a comprar o maior número possível de acções antes de caírem de $30 por acção para $1 ou menos (o preço actual das acções). Os investidores que compraram acções a estes preços inflacionados ficaram sem nada mais do que papel sem valor quando tudo se desmoronou à volta dos seus ouvidos.

8. Qwest Communications International Inc.

A Qwest Communications International Inc. é uma empresa de telecomunicações anteriormente sediada em Denver, Colorado, que esteve envolvida num processo de acção colectiva por fraude de títulos. A acção judicial alegava que a empresa tinha defraudado os investidores ao sobreavaliar as receitas e ganhos, e ao inflacionar o valor dos seus activos. O processo foi resolvido em 2003 por $1,5 mil milhões, que incluía $300 milhões pagos aos accionistas que compraram acções da Qwest durante o período relevante e um adicional de $800 milhões para pagar os créditos de planos de pensões afectados pela alegada má conduta financeira por parte da gestão da Qwest.

9. Rite Aid Corp.

Martin Grass, CEO e filho acusado de conspiração, fraude, falsas declarações e obstrução da justiça no caso de ter envolvido mais de $2 mil milhões em comissões de um gestor de benefícios farmacêuticos durante até cinco anos.

Rite Aid acção judicial de stock

A SEC processou a Rite Aid por fraude contabilística em 2009 depois de uma investigação ter revelado que a empresa tinha deturpado os seus lucros de 2007-2008 em $3 mil milhões durante esses dois anos.

Martin Grass confessou-se culpado de fraude electrónica (2007) e condenado a sete anos de prisão; confessou-se novamente culpado pelo seu papel no caso RiteAid (2010), foi condenado a 37 meses atrás das grades; pagou $5 milhões de pena mais $1 milhões de multa criminal da SEC, apresentada contra ele no início desse ano.

10. Global Crossing Ltd

This case was brought by Global Crossing Ltd. shareholders who alleged that the company’s CEO, Gary Winnick, had insider knowledge of the company’s impending bankruptcy and sold his stock before it became public knowledge. The lawsuit also claimed that Winnick had a conflict of interest when he negotiated an acquisition deal with Qwest Communications International Inc., because he held a large amount of stock in both companies.

O caso foi resolvido por $325 milhões em 2004.

Conclusão

Podemos nunca saber se estes processos foram resolvidos no melhor interesse das vítimas. Mas podemos aprender com eles, e esperamos evitar tragédias futuras, compreendendo o que correu mal.

Imagem predefinida
threeinvesteers
Artigos: 3
pt_PTPortuguese